Castração Social

projetocastracaosocial@gmail.com

Dra. Marina Dante

CRMV SC 3583 / CRMV SP 8190

(48) 3241-1567 / 99650-4039

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Blog » Leishmaniose: Como evitar
Leishmaniose: Como evitar

http://www.pitria.com/wp-content/uploads/2014/06/5.jpg

 

A Leishmaniose é uma doença que pode afetar cães e seres humanos, causada por um parasita

 

A Leishmaniose Visceral Canina é causada por um protozoário, o Leishmania spp., que é transmitido pela picada do mosquito-palha, também conhecido como birigui, cangalha e tatuquíra. Essa é uma doença crônica; há tratamento paliativo, mas não há cura. Grande parte dos veterinários e o próprio CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária) é contra seu tratamento com o uso de medicamentos humanos, por medo de tornar o parasita ainda mais resistente. Infelizmente, a recomendação é a eutanásia. 

 

A doença só pode ser transmitida pela picada do mosquito infectado, por isso não há transmissão direta de um cão para outro. O perigo de ter um cãozinho com Leishmaniose é que ele se torna um reservatório desse protozoário, aumentando a probabilidade da transmissão para as pessoas próximas. A doença em humanos, no entanto, é mais comum em pessoas imunodeficientes, como os portadores do vírus da AIDS. 

 

O que é a Leishmaniose e de que formas se apresenta?

 

A Leishmaniose só é contraída pela picada do mosquito infectado pelo protozoário Leishmania spp., e não há risco de contágio entre cães e pessoas diretamente. Os gatos são imunes ao protozoário e não desenvolvem a doença. A Leishmaniose Visceral Canina pode demorar muitos anos para se manifestar em forma de sinais clínicos, o que dificulta o tratamento e aumenta os danos causados ao organismo do cão. É uma doença que compromete órgãos vitais, como rins, fígado, estômago, coração e até a medula óssea.

 

Os órgãos afetados param de funcionar adequadamente, levando a uma falência de todo o sistema. A Leishmaniose também pode se apresentar de forma cutânea, afetando a pele, a pelagem e os olhos. Os cães podem ficar cegos e frequentemente apresentam descamação da pele que leva a feridas.

 

Sinais clínicos e diagnóstico

 

A doença pode permanecer "adormecida" por até 7 anos. Dessa forma, o cão se torna apenas um reservatório do protozoário. Uma vez que os sinais clínicos comecem a aparecer, a evolução da Leishmaniose se torna mais agressiva.

 

Os principais sinais da Leishmaniose são:

 

  • cansaço e apatia - o cão fica sem energia;
  • perda de apetite;
  • emagrecimento muito rápido;
  • pelagem bastante opaca e fraca;
  • queda dos pelos;
  • feridas por todo o corpo, principalmente no focinho, nas orelhas, nas articulações e na cauda;
  • onicogrifose - as unhas crescem muito em um curto período;
  • abdômen inchado pela distensão de órgãos como fígado, estômago e baço;
  • olhos lacrimejantes, com secreção e bastante vermelhos;
  • desarranjos intestinais, presença de sangue nas fezes e na urina;
  • vômito.

O diagnóstico clínico da Leishmaniose é complicado, já que os sinais podem demorar a aparecer e o cão pode apresentar um ou todos os sinai. Sua confirmaçãosó pode ser feita por um veterinário, por meio de exame de sangue.

 

Tratamento

 

O tratamento da Leishmaniose há muito é um tema polêmico. De acordo com o Ministério da Saúde, o uso de medicação humana para o tratamento da Leishmaniose em animais era proibido e sua recomendação era a eutanásia, para evitar que cães se tornem reservatórios da doença. Entretanto, em maio de 2013, a Justiça Federal determinou que os cães poderiam ser tratados com o medicamento destinado aos seres humanos. Isso causou polêmica. Alguns se preocupam que o uso indiscriminado do remédio no tratamento dos animais leve o protozoário a criar resistência, tornando os medicamentos ineficientes no tratamento de humanos. 

 

Em janeiro de 2013, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) publicou em seu site uma nota de esclarecimento sobre o tratamento da Leishmaniose Visceral em cães. Nela, o Conselho Federal e os Conselhos egionais assumem seu posicionamento contrário ao tratamento da doença até que a cura seja cientificamente comprovada. Para maiores informações, acesse a nota de esclarecimento do CFMV.

 

O tratamento visa apenas tornar o cão assintomático e retardar o avanço da doença, mas o parasita não é eliminado. Além disso, não é em todos os casos que o tratamento é bem sucedido. Caso o cão já esteja muito debilitado, com órgãos vitais muito afetados, dificilmente acontecerá uma recuperação. Mas, se diagnosticada de forma precoce, o tratamento pode render ao cão uma vida longeva e normal.

 

O tempo que leva para um cão com Leishmaniose morrer em decorrência da doença varia muito, mas geralmente é um processo longo e extremamente doloroso. 

 

Tanto o protocolo de tratamento quanto o medicamento utilizado dependem muito da saúde geral do animal e do quão avançada está a doença. A medicação usada em humanos, que agora é permitida para os animais, consiste em injeções intramusculares e intravenosas de antimoniais pentavalentes por pelo menos 20 dias. Essas injeções devem acontecer concomitantemente ao tratamento para os danos específicos, isto é: remédios para os órgãos afetados. Após os 20 dias iniciais de tratamento, o veterinário vai decidir o curso a seguir, podendo optar por remédios manipulados, fitoterápicos e a manutenção dessas injeções no mínimo a cada três meses.  O ideal ainda é a prevenção.

 

Prevenção

 

Por ser uma doença muito séria e agressiva cujo tratamento é complicado e ainda controverso, o melhor é a prevenção. A principal medida de prevenção é evitar a proliferação do mosquito-palha. Para eliminá-lo, basta seguir o exemplo do combate ao mosquito-da-dengue, eliminando focos de água parada. Há, no mercado, duas vacinas contra a Leishmaniose, de diferentes laboratórios. Ambas possuem uma grande eficácia e conferem proteção de 92% a 95% contra o protozoário.

 

Além da eliminação dos focos de reprodução do mosquito e das vacinas, é recomendado o uso de repelentes. Os mesmos usados contra pulgas e carrapatos também são eficazes para evitar picadas de mosquitos. Podem ser na forma de ampola, spray e até mesmo coleiras. Vale ressaltar que o contágio é feito exclusivamente pela picada do mosquito-palha. Um cão com Leishmaniose nunca irá passar sua doença para outro cão nem para um ser humano através do contato direto. 

 

Converse com seu veterinário e veja as melhores alternativas. A Leishmaniose é mais recorrente no norte e no nordeste do Brasil. Logo, se você reside nestas regiões, recomenda-se cuidado redobrado!

 

http://www.bolsademulher.com/pet/voce-sabe-o-que-e-a-leishmaniose-saiba-tudo-sobre-essa-doenca-e-como-evita-la

 

Projeto Castração © 2015 - 2018. Todos os direitos reservados. CNPJ: 06.972.402/0001-34.

Projeto Castração SC: Av. Gov. Jorge Lacerda, 943, Campinas, São José-SC, (48) 3241-1567 / 99650-4039
Rua Laguna, 917, Bairro Oficinas, Tubarão-SC, (48) 99650-4039.

site desenvolvido por: www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2017 by Nick Jones. Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3.